Festival de Gelo e Neve de Harbin

O Festival de Gelo e Neve de Harbin é um festival anual dedicado ao gelo e a neve, extremamente comuns naquela cidade. Harbin situa-se no nordeste da China,  muito perto da Sibéria - temperaturas baixas até -35º C são comuns.

O festival de Harbin é o maior festival de gelo do mundo, sendo conhecido por ter as maiores esculturas e edifícios de gelo do mundo. Todos os anos recebe entre 10 a 15 milhões de visitantes - tanto chineses como internacionais, devido aos concursos organizados. Os blocos de gelo são retirados do rio Songhua, que banha a cidade, por cerca de 10.000 trabalhadores, e depois dados a escultores de vários países como Rússia, Mongólia e Japão, para serem transformados em várias figuras desde edifícios, pessoas e animais. 

Oficialmente, o festival tem inicio em Janeiro e dura um mês, mas por vezes as exposições duram mais o tempo oficial, abrindo até mais cedo. As belas esculturas de gelo, combinadas com os efeitos luminosos, conferem uma beleza única ao festival. 

( Imagens via Xinhua )

O Nadaam de Inverno

O festival Nadaam é um evento que mostra as tradições da etnia mongol através de competições de desportos tradicionais como tiro ao arco, luta e corrida a cavalo.

O Nadaam tradicionalmente festeja-se nos meses de Verão mas a província da Mongólia Interior decidiu promover mais eventos do género na época mais fria do ano para atrair turistas e dar a conhecer as tradições nómadas dos grupos étnicos da província.

As pastagens de Wuzhumuqin foram o palco das celebrações de Nadaam, que contou não só com competições mas também desfiles e jogos tradicionais. 

( Imagens via Xinhua e China.Org)

O Milagre de Saihanba

A floresta de Saihanba, localizada a cerca de 400 quilómetros a norte de Pequim, conta uma história de esperança e dedicação. 

Antiga tapada real da Dinastia Qing, a região ficou devastada por longos anos de fogos florestais, secas e desertificação. O deserto mongol começou então a expandir-se para a zona, afectando Pequim com pesadas tempestades de areia.

Então, nos anos 60, uma equipa de especialistas começou a trabalhar com a comunidade local para resolver a situação. Desde então 3 gerações de trabalhadores florestais trabalharam na reconstrução daquele habitat natural, agora transformado uma vasta floresta de 7,5 hectares.  A região atua como um "pulmão" de oxigénio para as cidades de Pequim e Tianjin, fortemente afectadas pela poluição atmosférica.

A comunidade de reflorestação de Saihanba ( "Terra alta e linda", nome que mistura a língua chinesa e mongol) ganhou este ano vários galardões, incluindo o prémio "Campeões da Terra", organizado pela ONU, na categoria de Inspiração e Acção, pelo trabalho desenvolvido na transformação de um área outrora árida e infértil.


(Imagens via Diário do Povo Online )