Festival da Luz atrai milhares

" AMOR MACAU" é o tema deste ano do Festival da Luz de Macau, iniciativa que combina elementos criativos e culturais para tornar a antiga colónia portuguesa num ponto de turismo internacional.

O festival, que começou dia 3 e irá durar até ao final do mês de Dezembro, irá contar com exposições, instalações de luz, jogos interactivos e apresentações artísticas de luz e música, que terão como pano de fundo os pontos turísticos e edifícios históricos como as ruínas de São Paulo. 

Desde 2015, já passaram cerca de 200 mil pessoas pelo evento, que pretende atrair mais visitantes a apreciar a beleza cultural de Macau de um ponto de vista artístico, prolongando o tempo de estada e impulsionando as indústrias locais. 



( Imagens via Direcção dos Serviços de Turismo de MacauMacau Lifestyle)

Falsos pinguins

A cidade de Yulin , na província de Guangxi, já é conhecida pelos piores motivos - o seu festival dedicado ao consumo de carne de cão é altamente controverso. Porém, esta cidade voltou a ribalta por outro motivo  -  o seu novo zoo e os seus pinguins... insufláveis.

Um Zoo recém aberto nesta cidade prometia ao seus visitantes a mostra de animais selvagens, com destaque para pinguins do Pólo Norte, tudo pelo preço de entrada de 15 yuan ( corresponde a cerca de 1,91 €).Porém, os visitantes, sobretudo famílias, rapidamente perceberam ser tudo um esquema - os animais "exóticos" não passavam dos  comuns animais domésticos como galinhas, gansos e até uma tartaruga. E quanto aos pinguins, não passavam de balões insufláveis colocados dentro de um lago.

As imagens postadas nas redes sociais pelos visitantes tornaram-se virais, com comentários de pura indignação até puro divertimento. Quanto ao Zoo, este foi encerrado ao fim de 6 dias de funcionamento.

( Imagens via Weibo)

Aquecendo as mãos

Uma das queixas mais comuns do Inverno são as mãos frias. Porém, na China Antiga e Imperial, foi descoberta uma solução para o problema: aquecedores de mãos portáteis.

Estes aquecedores eram pequenas caixas, feitas de materiais como cobre, bronze ou porcelana, que mais tarde eram preenchidos com pequenos pedaços de carvão quente e transportados para todo o lado.

Pensa-se que tenha surgido por volta de 700-476 A.C., no Estado de Chu, durante o Período da Primavera e Outono, havendo versões lendárias para o seu surgimento. Uma das lendas indica que o imperador Yangdi, da Dinastia Sui, ao viajar durante um duro inverno, pediu que fosse inventando algo pequeno que pudesse aquecer, daí ter sido inventado este aquecedor. Na Dinastia Song, já eram amplamente usados pela população, sendo extremamente populares até ao final da dinastia Qing.

Estas caixas tinham formas redondas ou quadradas e o material mais usado era o cobre por ser um ótimo condutor de calor e permitir maior liberdade artística a quem trabalhava. As caixas eram decoradas com motivos florais, animais ou caracteres. Contudo, haviam motivos exclusivamente reservados à família imperial.

As brasas usadas eram feitas de carvão, mas estas eram frequentemente perfumadas com auxilio de flores e plantas, dando um toque agradável ao aquecer das mãos.

Recentemente, houve um ressurgimento do interesse nestas caixas, motivado pelo crescente interesse nos dramas de época chineses.


( Fonte : Weibo e China Daily)